O nome da Rosa

Aqui jaz
Rosa de Luxemburgo
Judia da Polônia
Vanguarda dos operários alemães
Morta por ordem
Dos opressores.
Oprimidos,
Enterrai as vossas desavenças!” (BRECHT, Bertold. Epitáfio)

Este texto era para ter sido publicado no dia 5 de fevereiro quando a minha Rosa fez 5 anos. Porém eu não consegui sentar para escrever, mas a ideia que eu tinha naquele momento também se enquandra neste dia em que uma das Rosas que dá nome a ela foi assassinada. Fazem 95 anos que Rosa Luxemburgo foi assassinada pela social-democracia alemã, aka reformismo.

Quando Luana estava escolhendo o nome da Rosa, um dia sentou comigo e falou: pensei em Rosa. É simples, fácil de aprender, fácil de escrever, e ela vai saber rápido falar de si mesma. Além disso, quero homenagear a Rosa Luxemburgo. (AMORIM, Paloma Franca. Cuba e as imagens)

Lembro de quando descobri que estava grávida. Sai do consultório e liguei do orelhão para meus dois grandes amigos, ambos viriam a ser os padrinhos da menina. Chorava de felicidade, sabia que seria difícil, mas não tinha medo.

Rosa foi um nom pensado em conjunto com um ex-amigo. Ele era gaúcho e morou por um tempo em São Paulo, acompanhou quase toda a minha gravidez. Foi esse rapaz com o qual não falo mais que sugeriu que a Rosa se chamasse Rosa. Lembro que havia falado que gostaria de um nome simples, fácil de aprender a falar e escrever e que tivess um significado forte. Veio Rosa.

Neste mês se completam 95 anos do brutal assassinato da comunista polonesa Rosa Luxemburgo. Ela foi uma combatente de primeira hora contra o revisionismo teórico que irrompeu no interior da social-democracia alemã. Condenou duramente o oportunismo de direita que ganhava corpo nas direções dos sindicatos alemães, e defendeu a experiência da revolução russa de 1905, especialmente o uso da greve geral como instrumento importante na luta revolucionária. Quando se iniciou a Primeira Grande Guerra Mundial e ocorreu a traição da maioria dos dirigentes da II Internacional, Rosa se colocou ao lado de Lênin contra a guerra imperialista e na defesa da revolução socialista. Foi fundadora do grupo spartakista que daria origem ao Partido Comunista da Alemanha. Após sua trágica morte, Lênin fez uma pungente homenagem à águia polonesa, heroína do proletariado mundial, no discurso de abertura do congresso de fundação da III Internacional. (BUONICORE, Augusto. Rosa Luxemburgo: A Rosa Vermelha do Socialismo)

Foi a necessidade que tinha de mostrar para a minha filha que antes dela nascer existiram mulheres que lutavam e construíram movimentos para emancipar a toda classe trabalhadora e dentre destes os mais marginalizados que ela leva em seu nome uma homenagem a duas grandes Rosas: Luxemburgo e Parks.

Padrões: Sorrisos, medo e estagnação

Tem aqueles momentos que o mundo para, estagna e mesmo as coisas simples da vida que cotidianamente achávamos o máximo apreciar se tornam cinza. Estou em um desses momentos, onde acho tudo uma grande caganeira eterna e que a vida não irá seguir.  Se há um tempo eu achava a minha rotina a coisa mais maravilhosa do mundo, não é que a vida está uma merda, ela simplesmente está parada.

Dia desses assistia algum episódio antigo de “Sex and The City”, sim sou uma dessas pré-balzacas que assistem “Sex and The City” e fica tentando se identificar em algum padrão comportamental. Em resumo, sou completamente maluca mesmo. Pois bem, lá estava eu prostrada em cima do sofá assistindo um episódio que falava justamente sobre padrões e lá fui eu cair em uma eterna discussão de relacionamento comigo mesma.

É óbvio que pelo fato de estar há duas semanas em uma discussão de relacionamento eterna comigo mesma eu cai na cilada maior de ir chafurdar qual seria o meu padrão de relacionamento. Aqui cabe uma explicação, sou uma daquelas mulheres que gosta da vida provinciana tradicional, gosto de chegar em casa encontrar com a minha filha, receber uma ligação e saber que o/a namorado/a está indo pra casa jantar. Pois bem, o meu padrão de relacionamento é o de ter medo de relacionamentos. Se eu já sabia disso? Sim, sabia.

Tenho uma teoria de que nasci afetivamente quebrada e todas as vezes que há a remota possibilidade de viver algo muito bacana com alguém eu prontamente saboto a história. Isso muitas vezes é visto como não se importar com as pessoas, mas na verdade é só a minha fobia gigante de me relacionar com as pessoas e ter que lidar com possíveis entreveros que existem em uma relação.

Amei 3 pessoas na minha vida toda, o fato deu ter amado 3 pessoas em toda minha vida não quer dizer que não existiram rolos, casinhos e afins. Porém, amor, amor mesmo, de contar as horas para se encontrar, de ficar cantarolando musiquinhas tema, de acordar do lado e ser feliz por tudo que é importante está ali contigo na cama foram só 3 vezes.

A primeira vez que eu amei encontrei a pessoa no lançamento de uma lei de incentivo a produção cultural, era o sorriso mais lindo que eu já tinha visto. Era a primeira vez que percebia alguém se interessar por mim – então, além de ser uma medrosa de marca maior também tenho uma síndrome de patinho feio gigante, não disse que eu era toda quebrada?

Foi a primeira vez que eu me caguei de medo também, lembro o momento em que travei tudo, foi entre uma ligação ou outra e ele virou pra mim e disse: É mais pro namorado a gente conta às coisas. Pronto, naquela hora eu comecei a agir de uma forma a afastar qualquer possibilidade de encontro, apontar indisponibilidades bobas de horário.

A segunda vez que eu amei também começou com um sorriso, era um churrasco e ele veio elogiar o meu sorriso e era um sorriso tão lindo, tão acolhedor. Acordava de manhã e ficava olhando aquele corpo do meu lado, até o dia em que estávamos andando pela Augusta e eu olhei para o céu, a lua estava gigante. Falei para ele olhar e o pequeno virou e disse: Pera, olha pra lá. Tá mais bonito olhar a lua daqui. E quando percebi ele estava observando a lua refletida nos meus olhos, congelei de medo e dali para frente eu comecei a fazer uma série de coisas que ajudaram a história terminar.

Meu terceiro amor, meu Último Romance, também começou com um sorriso, um sorriso em banheiro público, daqueles sorrisos que tu nunca acha que pode dar em alguma coisa, mas surpreendem a cada minuto. Foram tantas coisas ditas e não ditas. Se eu não fosse um lixo, eu casava contigo. O quanto essa sentença ainda pesa, o quanto depois disso comecei a me afastar até culminar no último beijo. Tudo fruto do medo, da insegurança, da dificuldade de entender que dá para confiar e entregar o coração para as pessoas.

E por que isso pra mim é tão importante? Pelo fato de ser algo que ainda não consegui resolver comigo mesma, é o meu padrão de relacionamentos. Dar presentes, ter músicas temas, se sentir plena, mas ao mesmo tempo criar uma couraça onde qualquer manifestação do outro lado de algum carinho maior é necessariamente sinal para ser refratária. Faz um bom tempo que eu não noto mais sorrisos, que não tenho vontade de olhar a lua, ou então ir ao supermercado para preparar alguma coisa diferente para jantar.

Cada um dos meus amores me trouxe algo fundamental para compreender a vida, e inclusive avançar nesse meu combate diuturno do medo que sinto quando percebo as coisas caminharem. Sei que preciso reencontrar o meu eixo e essa é uma das minhas tarefas para o próximo período, preciso reaprender a ser feliz sozinha.

Ser mãe é igual jogo de videogame: a próxima fase é sempre mais difícil

Olhando as coisas pela internet essa semana me deparei com um vídeo que todas as mães (autônomas ou não) deveriam assistir. Foi relembrando as minhas andanças como mãe, as dificuldades, as felicidades e a própria necessidade de compartilhar mais neste espaço sobre as vezes que a gente coloca as crias para dormir e deita do lado chorando caladinha por não ter para onde recorrer.

Vem a gravidez, as dores nas pernas, o parto. Depois o primeiro ano, as noites sem sono, a preocupação com o crescimento dos bebês, a iniciação da alimentação sólida, os primeiros passos. O tentar compreender os anseios dos filhos traduzindo choros, risos, grunhidos.

Junto com o passar de cada momento nos deparamos também com as nossas ansiedades. O não conseguir tocar mais tudo na nossa vida como antes, as limitações de se ter uma criança pequena que precisa de atenção e muitas vezes só tem a nossa atenção. É uma trincheira, uma corda bamba entre nós e eles. Porém há a vontade de cada passo ser superado para chegar do outro lado, olhar para trás e pensar: valeu a pena.

Talvez a primeira coisa que devamos pensar é: Dentre tudo o que ouço de rotinas, vivências e conselhos o que realmente serve para a nossa realidade? Qual é a nossa realidade e a dos nossos filhos? Como podemos usar coisas já presentes no nosso cotidiano a favor da gente e não como se fosse um empecilho? Não há resposta pronta, normalmente nos fazem acreditar que há, mas é uma bobagem.

Ser mãe é maravilhoso, mas somente nós sabemos a dor e a delícia de ser mãe, e o quanto esta escolha também nos coloca tarefas que as vezes não damos conta sozinhas. Mesmo que tentemos, e contando que nossa tarefa social seja a de criar os rebentos. Digo isso porque toda vez que pensamos em maternidade, vem a nossa mente comercial de margarina, família bonita, alegre e sem problemas. Quase nunca pensamos em noites mal-dormidas, desmame noturno, birras ao entrar ou sair da escola, introdução aos alimentos, relacionamentos interpessoais das crianças, as vontades delas que vão contra os nossos planos e tantas outras coisas. (FRANCA, Luka. Um pouco de culpa materna de uma mãe solteira)

Lidamos com a volta ao trabalho, a adaptação na escolinha, o acompanhamento pedagógico das crianças e como dar conta dessas coisas quando somos apenas uma tentando trabalhar, cuidar deles, cuidar da gente de uma forma saudável. Quantas de nós, mesmo casadas, tentamos dar conta da agenda dos filhos e da nossa própria agenda? Quantas de nós muitas vezes nos sentimos solitárias e prestes a sucumbir por achar que não damos mais contas? Por não saber lidar com as dificuldades não só do nosso cotidiano, mas também das críticas e comentários que ouvimos por aí?

Admiro as mães, admiro mais ainda aquelas que tocam o seu cotidiano sozinhas.

Muitas vezes ficamos receosas de estabelecer limites entre o que pode ou não fazer para nos ajudarem no lidar como nossas crianças, por que sim precisamos de ajuda, precisamos parar e pensar o que é melhor para nós e eles. Sem medo de estabelecer limites e até mesmo nos confrontar com aqueles que estão ao nosso redor. O lidar cotidiano dos filhos, ainda mais quando nos sentimos sozinhas e precisamos tirar forças sei lá de onde para continuar, só funciona se estabelecemos limites não apenas para nós e para as crianças, mas para os que estão de fora também. É díficil mediar tantas ansiedades e vontades de ajudar, mas é necessário. Até para podermos mostrar para nossos filhos que as vezes as regras mudam por que se mudou de casa, há a possibilidade de dar uma folga em algumas coisas e afins. Mas é sempre baseado no acordo cotidiano que nós temos. Nos combinados.

Eu vivo cheia de culpa materna, mas converso isso com a minha pequena, isso é presente na minha vida cotidiana. Assim como a minha filha eu também preciso lidar com as minhas frustrações e poder passar para a próxima fase.

Eike role!

É um absurdo! Na minha opinião, acabou a última opção de lazer dos paulistanos e dos que visitam nossa cidade”, contou Manssur. (“Estamos apavoradas”, dizem ex-participantes do ‘Mulheres Ricas’ sobre ‘rolezinhos’ em shoppings de luxo. AZANHA, Thiago)

Interessante que a mesma pessoa que diz estar apavorada com a juventude periférica indo usufruir dos shoppings centers é a mesma que se colocou contrária a PEC das Domésticas. Ou seja, zerou o debate do rolezinho com essas declarações da Regina Manssur.

Meninx para namorar e meninx para ficar, só que não

Resolvi fazer um post de auto-ajuda paras os garotos cis adolescentes prestarem atenção. Me baseei neste link para dar para vocês meninos cis dicas importantes sobre garotas cis pra ficar e garotas cis para namorar.

A primeira dica é: Se libertem! Por que sinceramente, há mais no mundo do que apenas namorar ou ficar com meninas cis. Vocês podem se apaixonar por outro garoto cis, podem se apaixonar por uma menina trans ou por um menino trans. O importante é se apaixonar, viver as experiências com gente que acolha e ajude a vocês crescerem. E não arranjar namoro só por que todo os moleques cis na sala de aula ficam te oprimindo para ficar com a fulana cis. Relacionamentos são diversos e a beleza deles é essa.

A segunda dica é: Não existe gente pra namorar e gente pra ficar. Isso é uma mentirada que inventaram só para manter as coisas como estão. Tu és jovem, és o futuro da nação, és burguês sem religião (opa! baixou o Legião Urbana agora), viver as diferentes formas de relacionamento é importante. Não to dizendo que é fácil, relacionamento nunca é fácil. Mas relacionamento não é só ficar ou namorar, tem tanta forma boa de se relacionar por aí e respeitar essa diversidade é melhor ainda.

A terceira dica é: Não ache que todas as meninas e meninos te querem. Forçar qualquer coisa com a pessoa que for pode ser considerado assédio, violência, opressão e estas coisas são crimes. Relações devem ser sempre consensuais e nunca uma relação de poder entre você e a pessoa que você gosta. Se tu gostas de submeter as pessoas aos teus quereres, isso quer dizer que gostas de uma relação de abuso e relações abusivas são crime.

A quarta dica é: Assim como tu gostas de sair de balada a menina ou o menino também pode gostar, ficar na nóia achando que só por que antes de vocês estarem juntos ela/ele ficavam com muitas pessoas na festa é bobo  demonstra total falta de confiança nos acordos firmados no relacionamento.

A quinta dica é: Seja feliz. Se liberte e pense diverso. Nada melhor.

PS: Uma pessoa cis é uma pessoa na qual o sexo designado ao nascer + sentimento interno/subjetivo de sexo + gênero designado ao nascer + sentimento interno/subjetivo de gênero, estão “alinhados”. (O que é cissexismo)

Atualizado às 18h40

A Capricho retirou o post do Márcio Picolly do ar. Mas não é a primeira vez que a revista faz post do gênero no seu site, em setembro de 2011 ela tinha produzido algo parecido.

É momento das feministas disputarem corações e mentes nas massas

A política voltou a ser debatida nos espaços para além das organizações políticas. Tem gente conversando sobre o país e seus problemas nos bares, nos almoços de família, nos locais de trabalho e até nas festinhas juninas das escolas infantis. O Brasil está discutindo o país e não se deve ter medo disso. A população foi para a rua, e o que esperar de uma população que já vinha demonstrando paulatinamente nestas últimas décadas o recrudescimento de um senso-comum conservador?

O susto de ver a população reverberar ações da direita conservadora como o ataque aos militantes partidários, cartazes pedindo a redução da maioridade penal e um discurso moralista sobre a corrupção é reflexo da desorganização do debate político na sociedade neste período de redemocratização do Brasil. Mas é bom lembrar que este recrudescimento conservador nunca foi motivo para os movimentos feminista, LGBT e negro baixarem suas cabeças e voltarem para casa. Quantas vezes fomos às ruas pela legalização do aborto e fomos chamadas de assassinas, mas ao mesmo tempo conseguíamos dialogar com outra parte da sociedade. Disputa de consciência é assim, e a omissão acaba dando espaço para quem está lá disputando o senso-comum dizendo que não tá disputando.

Outro tema: é um erro igualar hino nacional e bandeira nacional com direita. Outra coisa é que a direita pode se valer disso, mas o sentimento da massa é honesto, de resgate da nação contra quem ela considera que está usurpando e roubando o país, isto é e sempre foi a simbologia da massa em relação a bandeira e ao hino. Nos anos 80, com grande peso de massa da esquerda era muito comum os atos das diretas já e mesmo assembleias operárias de massa no ABC serem encerradas com o Hino Nacional. Nós temos que disputar essa consciência da massa para a esquerda, mas entendendo o valor do sentimento nacionalista anti-regime ou anti-corrupção no caso atual, no caso da minha geração era uma nacionalismo anti-ditadura do tipo dizer “o hino e a bandeira são nossos e não da ditadura”. Hoje tem isso de fundo “a bandeira, o hino, a nação são nossos e não dos corruptos”. Esquerda que não entender isso vai virar pó nesse movimento. (SILVA, Fernando. Uma rebelião popular progressiva e o início de uma crise institucional)

Esse processo de ascenso, ou seja, das pessoas saírem de seus trabalhos, das suas casas e locais de estudo para ocupar as ruas por temas diversos é positivo e devemos tomar este parâmetro como base. O povo na rua é bom. Agora, esperar que o povo na rua tenha o mesmo nível de consciência do que as pessoas que tem formulado política, ou organizado manifestações e atos sobre diversos motivos nos últimos anos.

Não se pode fetichizar, mas também não dá para entrar em uma de que: bora sumir de lá por que é só reaça e não dá para disputar. Ora, é o povo fora de sua rotina que abre espaço para podermos disputar sua consciência muito melhor do que quando estamos imbuídos em nosso cotidiano enfadonho.

As pautas que mais tem ecoado nestes espaços são pautas que se relacionam diretamente aos direitos das mulheres. As remoções feitas pelos governos federal e estaduais por conta da Copa e Olimpíadas, a mobilidade urbana, a permanência de Marco Feliciano na Comissão de Direitos Humanos da Câmara são pautas nossas também.

Nossa responsabilidade política nesse exato momento é enorme. Até por que nunca vimos manifestações destas proporções em nossa vida política, só as vimos passar na TV ou em documentários e mesmo assim tinham características diferentes. É continuemos nas ruas até a tarifa baixar e durante esse processo que estejamos em unidade, por que disputar ideologicamente com o status quo conservador é tarefa hercúlea e todxs lutadorxs devem tomá-la para si. (FRANCA, Luka. Pílula sobre as mobilizações em São Paulo)

É preciso que as feministas estejam nos atos, em bloco ou não para combater a violência sexista que ali possa haver, para nesse processo de mobilização de massas possamos disputar homens e mulheres (cis ou trans) de que espaços de protesto social não é espaço para assédio contra as mulheres.

Há muitos depoimentos de mulheres agredidas ou violentadas nas manifestações ao redor do país. Testemunhas oculares, com direito a vídeos amadores postados no YouTube, não deixam mentir: as mulheres precisam temer não apenas a repressão policial, mas também a misoginia e a intolerância dos próprios manifestantes. São dezenas os relatos de abuso sexual, tanto por policiais armados quanto por manifestantes homens. Várias mulheres, por conta de qualquer suspeita de pertencer a algum partido político de esquerda, sofreram agressões físicas. Além da violência direta, os manifestantes portavam uma quantidade exorbitante de cartazes machistas, acompanhados de piadas e gritos hostilizando as mulheres. (ARRAES, Jarid. A misoginia marcha ao lado)

Para além de disputarmos que as mobilizações sociais não devem ser espaços da nossa opressão, é preciso que nós feministas estejamos lá para dizer: A Copa, a falta de mobilidade urbana e o conservadorismo de ter Marco Feliciano na CDH nos atingem frontalmente! A maioria das pessoas removidas pelas obras da Copa são mulheres, quem mais é atingida pela falta de mobilidade urbana nas cidades (seja por conta de violência sexual nos transportes públicos, seja por conta da questão econômica) são mulheres, a votação do Estatuto do Nascituro, o vilipendio dos direitos humanos no Brasil atingem primeiramente as mulheres negras.

Além destes temas norteadores, o espaço nos abre possibilidade de questionamento importante sobre a militarização da polícia no Brasil. Ora, qual o tratamento dado pela polícia militar às mulheres em situação de violência? Ou nos casos de estupro? O processo de militarização da nossa segurança pública também ajuda a manter o pilar do patriarcado no estado Capitalista, pois tem o poder de manter o status quo da culpabilização das vítimas de opressão e nossa tarefa como feministas é combater tudo que mantenha os pilares patriarcais.

Sim, nesse momento de grandes mobilizações sociais no país nós feministas temos tarefa importante, não é a hora de ficarmos com medo de gente na rua, esperamos por isso em diversos atos que já chamamos.

É hora de tirar do bolso as nossas camisetas lilás e dizer que nós vamos disputar ideologicamente as pessoas, por que apenas o anti-capitalismo sem a desconstrução do machismo, homofobia e racismo não nos contempla. É preciso nos organizarmos para chamar manifestações e disputar as já convocadas. É o momento que temos para ampliar a disputa ideológica que fazemos cotidianamente, e conseguir debater e pautar questões que em momentos de maré baixa são tabus gigantescos.

Não é hora de nos omitirmos, não existe espaço vago na política e não podemos deixar que a direita misógina ganhe uma batalha de disputa ideológica, é hora das feministas disputarem corações e mentes da forma aguerrida que sempre fizemos.

Esse post faz parte da Blogagem Coletiva pela Democracia!

Quando eu aprendi que não precisava ser sozinha

Nos últimos dias tenho pensado muito no que eu me tornei nestes 4 anos de maternidade, quais lições realmente aprendi e em qual pessoa me tornei.

Bem, a Rosa não foi programada, mas ao mesmo tempo me trouxe os meses de espera mais felizes da minha vida, com algumas tempestades, dúvidas e medos. Mas a certeza de que naquele momento eu daria conta das adversidades de ser mãe solteira era absoluta.

Lembro do dia em que ela nasceu, cada minutinho, lembro de quando ela saiu de mim e parou na minha barriga. As duas cansadas, mas ali naquele momento eu sabia ter ganhado não apenas uma filha, mas uma companheira e que grandes desafios viriam pela frente.

Perdi as contas de quantas vezes chorei a noite enquanto ela dormia. Chorava com medo de não dar conta de nós, de não conseguir me levantar quando o sol aparecesse para poder dar continuidade a nossa vida, mas aí eu olhava para ela e a força brotava. A certeza de que no meio de tanta incerteza a gente perseveraria aparecia e me dava força para continuar.

Me apaixonei pela Rosa logo quando descobri que estava grávida, logo ao vê-la pela primeira vez em uma telinha de ultrassom no consultório do GO. Ela estava ali, esperando para me cativar para sempre.

Cometi alguns erros, os quais levo comigo para não acontecer novamente. Aprendi nessa maratona de maternidade que o amor pode se manifestar de diversas formas diferentes e não importa o momento ela sempre tem lugar no meu coração.

Não sei se a Rosa será minha única filha, mas uma certeza eu tenho: Rosa será minha única filha como mãe solteira/sozinha. Aprendi com ela que algumas coisas não fazemos sozinhas, não é plausível se fazer sozinha, é uma tarefa hercúlea e a qual não irei mais enfrentar de forma solitária.

Hoje eu lembro dos dias e noites em que passei acordada sozinha, foram poucos, porém não menos extenuantes. A incerteza de talvez não ter outros filhos vem por aí, apesar da vontade imensa que me arrebata cada vez que ouço uma amiga anunciar a gravidez e afins é automaticamente arrefecida por um: Não… Sozinha não mais.

A minha filha me fez voltar a sorrir, me fez ter preocupações de mãe, me fez ter vontade de mostrar o mundo e contar histórias.

Sobretudo, Rosa me ensinou que não é preciso ser sozinha, que é bom dividir as preocupações, pedir ajuda e que nem sempre precisamos nos esconder para chorar.

Sem mais publicações