Qual a sua primeira memória política? A minha se chama Darcy Franca

Havia tirado hoje para falar do Cordão da Mentira, mas hoje não tem como não falar daquela pessoa que ajudou a formar boa parte do que sou hoje. São 6 anos sem a minha mãe, não vou falar de uma mãe amorosa já o fiz antes, mas hoje falo das minhas primeiras memórias políticas. Todas, ou quase todas, com ela.

Em 89 ela fazia boca de urna para o Lula, alí no José Veríssimo – toda minha família votava no José Veríssimo, só eu que votava no Santa Rosa – eu e minha irmã brincávamos na Pça Batista Campos e ela distribuía santinhos. A gente pedia para distribuir também, mas ela não deixava, era o nosso momento de ir brincar e não distribuir panfleto. O Lula perdeu naquele ano, como todo mundo sabe e numa lógica de claro golpe, em casa a minha irmã chorava por que ele tinha perdido: Lula não perdeu, Lula já ganhou.

Durante o impeachment do Collor, em 1992, eu pedi para sair de preto, pois não apoiava o tal caçador de marajás, e ela me virou e falou: Olha, você é criança, isso é coisa de adulto. Essa cena é algo que ficou na minha vida pra sempre, talvez tenha sido por isso que naquela tarde passei colada assistindo a votação do impeachment em Brasília e depois, de dois em dois anos, chegava em casa da escola para assistir o horário eleitoral gratuito.

Foi com a minha mãe que eu aprendi a amar e foi com ela que percebi a primeira contradição política. Nas eleições de 1994, quando Almir Gabriel e Jarbas Passarinho disputaram o governo do Pará e o Lula apareceu elogiando o Jarbas Passarinho (conhecido testa de ferro do regime civil militar), minha mãe na época me contou que o elogio de Lula teria sido durante uma CPI no congresso e não para um apoio eleitoral.

O segundo turno daquela eleição uma revoada de petista votou no Almir Gabriel e eu na cabine de votação com ela perguntando por que ela ia fazer isso, por que não votava no PT novamente. Protagonizei cena parecida com a Rosa em 2010, a pequena me disse: Mas não é o Plínio, durante o segundo turno e pretendo nunca mais fazê-lo, pois toda vez comparo muito 2010 e 1994 quando penso nisso.

1996 foi ano em que o Edmilson Rodrigues deu a volta na Elcione Barbalho e deu um fatality no Ramiro Bentes e assim ganhou a prefeitura de Belém. A festa foi na Pça da República, a mamãe perguntou: Vocês querem ir para casa ou ir para o furdunço. Obviamente a nossa escolha foi o furdunço e era maravilhoso ver tanta gente cantando: Meu coração é vermelho! De vermelho vive o coração!

Já 2000 a festa foi na Pça do Operário, novamente ela levou por que pedimos. Só lembro do tio Sávio gritando que a direita não ia retomar a cidade tão cedo… Ledo engano.

Além de lembrar de todo o filme da sua história, eu tenho certeza que a dra. Darcy Cesário Franca também lembrou das nossas discussões políticas em São Paulo, quando ela me falava que todos os meus apontamentos eram coerentes, mas continuaria apoiando o governo Lula pois não tinha mais força pra lutar e que as migalhas já a deixavam satisfeita, mesmo sabendo ser migalhas. Deve ter lembrado da nossa primeira e única greve juntas, em 2006, quando pedi para ela ir a assembléia da PUCSP junto comigo e ela falou que confiava plenamente em mim, mas não iria.

Lembro quando falei a primeira vez para ela que estava próxima ao PSOL e ela me pediu para não filiar a partido algum, por que era uma vida muito extenuante e não queria sua filha nisso. Não teve como, por causa dela eu me descobri um ser político e não fazia sentido não estar em um partido.

É, eu não seria a pessoa que sou hoje, não estaria onde estou hoje se essa moça não soubesse a importância das coisas que falava, das desculpas que me pediu e das coisas ensinadas – políticas ou não. Não era nenhum quadro político histórico, mas inspirava e inspira. Além de ter protagonizado meus primeiros insights políticos.

Mais tarde entra o post do Cordão da Mentira, agora só preciso me lembrar de uma vida toda junta e dizer que para sempre eu vou te amar.

Uma resposta para Qual a sua primeira memória política? A minha se chama Darcy Franca

  1. Daila

    Lindo, Luka! Nunca esqueço algumas conversas que tive com Darcy, sempre com aquele olhar atento e sagaz, vejo isso em vcs duas também, as belas sementes que ela deixou neste mundo. Bj carinhoso nas duas. Daila

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s