Alagoinha ainda divide o Vaticano

Um ano depois, caso da menina submetida a aborto depois de estuprada por padastro rende polêmica

Ana Braga

anabraga-pe@dabr.com.br

O caso da menina pernambucana de nove anos que, depois de sofrer um estupro, foi submetida a um aborto, em março de 2009, na Maternidade da Encruzilhada (Cisam), tem novo desdobramento na Igreja Católica da Itália.

Membros da Pontifícia Academia pela Vida (Pav), ligada ao Vaticano, solicitaram ao papa Bento XVI, na última sexta-feira, a destituição do presidente do grupo, o arcebispo dom Rino Fisichella. O monsenhor italiano defendeu, à época do aborto, a vida da menina e considerou precipitada a excomunhão dos familiares da vítima e dos médicos que realizaram o procedimento. O pedido de destituição chegou quase um ano após o incidente a divulgação da carta de dom Fisichella sobre o caso.
No texto, o monsenhor italiano escreveu que “o arcebispo de Olinda e Recife se apressou ao indicar a ex-comunhão aos médicos que ajudaram a interromper a gravidez. A violência contra a mulher é grave. E se torna ainda mais deplorável quando perpetrada contra uma menina pobre, que vive em condição de degradação social. Não existe linguagem correspondente para condenar tais episódios”, disse Fisichella, referindo-se a dom José Cardoso Sobrinho. “A menina deveria ter sido defendida, em primeiro lugar. Antes de excomunhão, era necessário salvaguardar sua vida inocente”, observou.
O então arcebispo José Cardoso Sobrinho chegou a escrever para Fisichella, fazendo uma espécie de parecer sobre a situação e a excomunhão. Depois dessa correspondência, o monsenhor italiano teria escrito um segundo texto sobre o caso.
“Dom José é um canonista, defendia a vida citando o direito canônico. O aborto não tem sentido na igreja. Na ocasião da primeira carta, dom Fisichella estava provocando um diálogo maior entre dom José e a família da menina, para que as decisões acontecessem com mais serenidade”, afirma o atual arcebispo de Olinda e Recife, dom Antônio Fernando Saburido, que não acredita na saída de dom Fisichella. “Acho que Bento XVI não vai aceitar esse pedido. Não vejo motivo para isso. Não há necessidade de afastá-lo por isso. Seria uma revide sem cabimento”, opina.
O pedido feito pela Pav ainda não estaria nas mãos do papa Bento XVI. O diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé, padre Federico Lombardi, afirmou no site da Radio Vaticano que nem o Santo Padre nem o secretário de estado do Vaticano, cardeal Tarcisio Bertone, recebeu a carta da Pav. “Por isso surpreende e não se vê correto que tal documento tenha circulação pública”, acrescentou dom Fernando Saburido.

Fonte: http://www.diariodepernambuco.com.br/2010/02/23/mundo1_0.asp

Responder a Alagoinha ainda divide o Vaticano

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s