Mais um brado

Existiu uma época em que nao se podia cantarolar melodias buarquianas, não podia pois os militares proibiam, proibiam mencionar letras fora da ordem estipulada em 1964. Foi uma época muito dura, aqueles que se atreviam a cantar ou confrontar os ditadores da ordem eram capturados, amordaçados, torturados e executados. A ordem não permitia quem estava fora do lugar mostrar aos outros que a própria ordem estava fora do lugar e aos poucos aqueles enfrentadores começaram a ganhar força e com isso conseguiram impor na pauta dos ditadores da ordem a anistia dos exilados político e abertura para a redemocratização daquele país.

Hoje existe um lugar dentro deste país em que não se pode mais ter samba, violões para animar rodinhas de amigos, exposições e qualquer outra maneira de manifestação cultural. E neste lugar há o mais duro ataque às conquistas dos enfrentadores da ordem de 64, foi privado para algumas pessoas o direito de livre manifestação política e estas pessoas agora sofrem com o processo administrativo mais podre da história daquele lugar.

O mais problemático e que onde isto acontece hoje, no passado foi palco de resistência contra a ordem que pretendia calar as oposicões. O tal lugar chama-se PUC/SP, palco de enfrentamentos pesados contra os ditadores da ordem de 64 e hoje… Hoje as pessoas que administram esta instituição levam a toque de caixa um processo de punição ha alguns estudantes daquela casa, o erro fatal destes estudantes foi querer partilhar com toda a comunidade existente naquela universidade um acontecimento que atingirá a todos e estava sendo divulgado de forma parca, o erro deles foi querer manter viva uma historia fantastica e tão festejada por todos.

Não bastou para os administradores de lá colocarem leões-de-chácara para vigiar as atividades subversivas de colar cartazes e sambar. Foram mais fundo, deram as costas para o diálogo e deram de presentes para os estudantes mais de 200 policiais do choque pisando sem dó nem piedade na tradição e história daquele lugar. Porém os tais estudantes não estavam sozinhos e a cada baque novo voltavam a bradar suas idéias e posicionamentos com mais certeza, mais força e mais humor. Pois aos poucos as máscaras caem e a face deturpada dos falsos democratas aparece, uma hora aqueles que se escondem atrás do poder do aparato perdem o disfarce e são despidos por aqueles que tanto tentaram calar.

Responder a Mais um brado

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s