A chuva faz ping, ping, plam!


O cheiro de terra molhada, de grama, as flores escorrendo gotas de chuva, as pessoas andando apressadas para não se molharem muito e um outro punhado de gente andando devagar só para sentir os pingos entrarem em contato com a pele.

Chuva é uma grande dança, daquelas seqüências clichês de novela ou de comédia romântica, onde a mocinha traja um vestido do estilo hippie de cor lilás e se sente a princesa Fiona… Chuva com cheiro de livro, livro com cheiro de chuva e tudo no caldeirão de idéias e sopa de fatos. Os dedos curtos e meio sem jeito tocando a pétala da rosa branca e fazendo as gostas escorrerem pelo braço, mão, aura…

Flores, ping, livros, ping, chuva, plam! Água em gotas geladas que escorrem pelo rosto, garganta, colo e fazem lembrar de fazendas, metrópoles, grama e asfalto. O som do pneu rasgando o manto fino d’água que cobre o piche, o som dos pingos tocando levemente o telhado, ou o grito berrante dos trovões e a luz hipnótico dos raios.

Um espetáculo único, uma lembrança de infância, prosa e poesia feita por gotas e cheiros.

Responder a A chuva faz ping, ping, plam!

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s