Tornozelos Fracos

“Eu tenho tornozelos fracos, entende? Talvez não, quando eu ando parece tudo muito normal, mas quando tento correr… Ah! Aí é que mora o perigo, em dois centímetros de corrida eu já dou uma leve torcida no tal tornozelo.

Engraçado, quando eu era mais novinha não tinha esse problema com correr. Agora! Ih! É só aumentar o ritmo do passo e bam! Já torci o pé. Sabe de uma coisa? Nessas horas em que torço o tornozelo me sinto meio Mégara, vistes o “Hércules” da Disney? Então! Mégara é a namorada dele. Me sinto ela, mas com um porém, não tenho um Hércules para me ajudar com os tais tornozelos fracos.”

Ela falava tanto dos tais tornozelos fracos que Luiz ficou querendo entender direito aquela história, não por ter vontade de seguir a área de ortopedia dos tornozelos fracos, mas pelo fato dela falar tão suavemente que até se ela falasse sobre as torturas existentes durante as ditaduras militares nos países sul-americanos, o assunto se tornaria assustadoramente agradável.
“Será que a Thayse está querendo um namorado? Conversa estranha essa…” Talvez o grande medo de Luiz fosse esse, poxa! Tinha convidado a menina só para tomar uma cervejinha na esquina e pronto… Lá estava a garota falando de tornozelos fracos e em namorados “Hércules”, nunca falaram para ela sobre sexo sem compromisso? Ou será que ela nunca havia “ficado” com ninguém?
As perguntas ecoavam ao mesmo tempo Thayse filosofava sobre tornozelos fracos, como cair mesmo andando devagar e pequenas torções de pé.
Saíram do barzinho com algumas cervejinhas e caipirinhas a mais na cabeça, resolveram ir andando para casa. “Estou meio bêbada, isso agrava a possibilidade deu torcer o pé ou pisar em falso…” Novamente os tornozelos fracos, Luiz estava entediado… Thayse parecia ser uma garota tão interessante na sala de aula, durante as disciplinas sempre fazia apontamentos inteligentes e levantava questões super pertinentes a aula.

Determinado momento do caminho, Thayse tombou, Luiz a segurou, uma daquelas musiquetas adolescenticas chicletes foi ouvida e um pensamento uno passou pela cabeça dos dois “Benditos tornozelos fracos!”.

2 respostas para Tornozelos Fracos

  1. micastino

    Ô Lu, porra, porque você não escreve um livro hein??? Eu amo seus textos…. (tô ficando redundante!!)

    E aí, vc e minha irmã ainda não se encontraram??????? :-O

    Beijos e bom fim de semana

  2. Mi

    Plofeteando, amiga, do verbo plofetear seria o ato de fazer “ploft”…. aquele barulhinho típico de tudo que é “nojento” e cai.
    Hahahahaha… Bjo

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s